O Príncipe, de Maquiavel - um "manual prático" sobre como conquistar e manter o poder

Posted: 23.3.09 by Glauber Ataide in Marcadores: ,
3


Nicolau Maquiavel, na obra "O príncipe", escrita entre 1513 e 1516, se propõe a tratar do problema do poder. Mais especificamente, de como alcançá-lo e de como mantê-lo, conforme resume seu subtítulo. Pelos últimos capítulos de seu livro, apreende-se que seu objetivo a curto prazo era contribuir para a unificação e libertação da Itália, já que os primeiros Estados modernos já começavam a aparecer pela Europa, enquanto que a Itália ainda se encontrava fragmentada e em conflitos.

Se utilizando de sua experiência de homem de Estado, Maquiavel, após ser liberto do encarceramento que lhe sobreveio por intrigas políticas, resolve compilar todo o seu conhecimento sobre o assunto nesta pequena mas valiosíssima obra, a qual tem sido lida por chefes de Estado e homens de poder de todos os tempos desde então. 

Ele se refere ao fato de muitos já terem imaginado Estados que nunca existiram, fazendo uma referência a pensadores como Platão, por exemplo, e mostra que seu pensamento tem outro ponto de partida: a experiência concreta, o mundo da forma como ele é, da forma como ele existe aqui e agora.

Um dos principais temas apresentados por Maquiavel n' "O príncipe" é a separação entre Ética e Política. Daí talvez a razão do termo "maquiavélico" ter atingido hoje a presente conotação entre os não-especialistas.

Maquiavel não se preocupa com o ser "bom", mas com o "parecer bom" e com aquilo que "funciona". De fato, quando investigando sobre se o príncipe deve cumprir seus compromissos e honrar suas palavras, ele afirma que 

...um príncipe sagaz não deve cumprir seus compromissos, quando isso não estiver de acordo com seus interesses e quando as causas que o levaram a comprometer sua palavra não existam mais. (MAQUIAVEL, p. 173)

E ainda: "...é necessário que um príncipe saiba muito bem disfarçar sua índole e ser um grande hipócrita e dissimulador..." (p. 174), pois "...os seres humanos, de uma maneira geral, julgam mais pelo que vêem e ouvem do que pelo que sentem. Todos vêem o que pareces ser, mas poucos realmente sentem o que és." (Ibid., p. 176)

De fato, "...as pessoas comuns são sempre levadas pelas aparências e pelos resultados e é a massa vulgar que constitui o mundo." (Ibid., p. 176)

Assim, a sua obra, que às vezes nos lembra um "manual prático", é pautada por aquilo que objetivamente "funciona" para alcançar e manter o poder, no mundo como ele é agora, e não como "deveria ser". 

Logo no início eles nos aconselha que "...os homens ou precisam ser adulados ou esmagados, pois se vingarão dos pequenos erros e não dos graves. O dano que causar a um homem deve ser tal que não preciseis temer sua vingança." (Ibid., p. 55)

Assim ele ensina sobre a crueldade. Ela pode ser bem aplicada ou  mal aplicada, mas ambas "devem ser feitas todas de uma vez, pois, dessa forma, elas serão menos sentidas. Os benefícios, por outro lado, devem ser concedidos um de cada vez, pois assim serão melhor apreciados." (Ibid., p. 114). Na verdade, um príncipe "não deve se importar se o considerarem cruel quando, por causa disso, puder manter seus súditos unidos e leais." (Ibid., p. 164) É a polêmica questão se os fins justificam os meios.

De especial relevância em sua obra é a questão da guerra. A verdadeira especialidade do príncipe, a ocupação que convém a quem governa é "a arte da guerra, sua regulamentação e a disciplina do exército" (Ibid., p. 148). E assim ele discorre sobre as diferentes tropas que um príncipe pode possuir, e adverte: deve-se evitar as tropas mercenárias, e as tropas auxiliares são piores ainda que aquelas. De fato, quando o príncipe se utiliza de outros exércitos que não o seu próprio, ele se coloca em uma situação delicada, a qual nos remete ao exemplo bíblico de Davi versus Golias: Davi rejeitou a armadura de Saul por lhe ser muito pesada. É assim que o príncipe deve se comportar.

Na célebre questão sobre se é melhor ser amado ou temido, Maquiavel afirma que o desejável é que se pudesse ser ambos, "...mas como é difícil que isso aconteça ao mesmo tempo, então, é muito mais seguro ser temido que amado, quando se tem que escolher entre os dois." (Ibid., p. 166)

Algumas das razões para isso é que "...os homens hesitam menos em ofender aquele que se faz amar do que aquele que se faz temer", e que "...o medo, mantido pelo temor de punição, nunca deixa o homem." (Ibid., p. 166)

O príncipe deve atuar como raposa e como leão: ele deve evitar descuidar de sua dignidade perante a plebe e evitar mostrar sua origem humilde, quando for o caso, para não ser desprezado (seria por isso que tanta gente despreza nosso presidente Lula?).

Entretanto, evitar ser odiado não é tudo. O príncipe deve também fazer de tudo que puder para ser estimado. Algumas das melhores maneiras de se conseguir isso são: realizar grandes empreendimentos e exibir grandes virtudes; dar exemplos notáveis de sua administração interna; se mostrar sempre a favor ou contra alguém, nunca neutro; divertir o povo com festividades e espetáculos; estar sempre presente em assembléias de corporações e classes sociais, dando exemplo de afabilidade e magnificência, mas sempre preservando sua majestade e dignidade; etc.

Mas o príncipe não governa sozinho. Ele deve saber ouvir seus conselheiros para tomar sempre as melhores decisões. E quanto aos conselheiros, Maquiavel afirma que "do caráter das pessoas que o príncipe se faz rodear depende a primeira impressão que é formada sobre sua própria habilidade." (Ibid., p. 214) 

E entre as pessoas que se encontram próximas do principe, há sempre os aduladores, dos quais os príncipe deve se proteger. Para tal, é necessário pelo menos três atitudes de sua parte: fazer as pessoas entenderem que ele não se se sentirá ofendido se lhe for dito a verdade; autorizá-las a falar exclusivamente sobre o que lhe for perguntado, e nada mais; e desencorajá-las a dar conselhos quando não lhes for solicitado.

Essas são algumas das características que o príncipe deve possuir ou desenvolver para conquistar e manter o poder. Esta obra, a qual tem demonstrado e confirmado seu valor através do tempo, tem sido o livro de cabeceira de muitos homens de Estado ao longo dos séculos. Enquanto que a Ética e a Política, para Aristóteles, são indissociáveis, pois têm como diferença apenas o escopo do bem que cada uma almeja (a Ética está para o indivíduo assim como a Política está para a pólis), Maquiavel efetua essa distinção e demonstra que a ciência política é uma arte a ser aprendida.


REFERÊNCIAS:

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. São Paulo: DPL Editora, 2008.

3 comentários:

  1. brunabora says:

    Baixar o Documentário - Grandes Livros - Maquiavel - O Príncipe - http://mcaf.ee/j502d

  1. Este comentário foi removido pelo autor.
  1. Creio que o pensamento a respeito de O Principe, é de tal forma estimável meio para aqueles que querem governar, como também para aqueles que são governado; tanto porque ajuda a lidar com o poder daqueles que o têm, como também ajuda a entender a compreenção daqueles que são governado; pois qual o homem que não se governa no corpo que habita? A batalha é diária entre você e seu eu.
    E uma frase complementar mais de relevancia promordial,"para quer ser bom, se tantos outros bons não são"?