A revolução não será televisionada

Posted: 13.10.09 by Glauber Ataide in Marcadores: ,
1

Os leitores brasileiros cujas principais fontes de informação são veículos como a Rede Globo, os jornalões "Folha", "O Estado de São Paulo" e o panfleto Veja, só para citar alguns, nutrem em sua maioria uma grande antipatia pelo presidente venezuelano Hugo Chávez.

Mas graças ao surgimento de canais alternativos de informação podemos ter acesso ao "lado B" das notícias que os supracitados veículos publicam. E mais ainda, podemos também complementar as notícias que eles dão pela metade.

Sendo esse "enviesamento" da mídia burguesa um fenômeno geral, não restrito apenas ao Brasil, um grupo de produtores irlandeses, desconfiando que a mídia local venezuelana não estava transmitindo a real situação do país, se deslocou para a Venezuela em 2002, a fim de compreender o que estava acontecendo ali. A intenção era fazer um documentário sobre o presidente Chávez.

Mas percebendo a agitação política do momento, os cineastas Kim Bartley e Donnacha O'Briain mudaram o foco e acabaram registrando o golpe de Estado da burguesia local que depôs naquele ano o presidente democraticamente eleito, Hugo Chávez.

O resultado deste trabalho é o documentário chamado "A revolução não será televisionada", que mostra os bastidores do golpe antes, durante e depois. A obra recebeu doze importantes prêmios internacionais e foi nomeada para outros quatro.

Aproveitando o ensejo, indico também um outro documentário que mostra como há um despertar de consciência de classe entre o povo venezuelano, jogando por terra o engodo imperialista de que existe uma ditadura na Venezuela: é o documentário "No volverán! - The Venezuelan Revolution Now", filmado por um grupo de estrangeiros que visitou os bairros pobres do país, entrevistando trabalhadores em suas fábricas e acompanhando de perto o que a mídia burguesa se recusa a mostrar.

Sites oficiais:


1 comentários:

  1. Devemos nos desapegar da alienação que nos envolve e que nos corrompe. O saber da verdade deve ser feito pela verdade e não pela opinião dos "donos da verdade"(TVs).