Complexo de vira-lata

Posted: 27.11.09 by Glauber Ataide in Marcadores: ,
3

Parece ser uma necessidade psicológica da direita brasileira, classe histérica e raivosa, perpetuar o que Nelson Rodrigues identificava no povo brasileiro como "complexo de vira-lata".

Nelson definia esse complexo como "a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo". Em nossa história recente tivemos várias campanhas publicitárias, a exemplo do slogan "sou brasileiro e não desisto nunca", para aumentar a nossa auto-estima.

Mas perpetuar esse complexo não é apenas uma necessidade psicológica da direita. Não permitir que o brasileiro o supere também faz parte do projeto da burguesia nacional para o país.

Qual é esse projeto? O projeto é justamente não ter projeto. É deixar que alguém "com mais capacidade" cuide disso. É vender o Brasil inteiro para que cuide dele "quem tem competência". Ela precisa convencer o resto do país de que somos todos um bando de incapazes, assim como eles, e que se não deixarmos que os estrangeiros tomem conta do que é nosso, estaremos todos perdidos. É a mesma mentalidade de povo colonizado de sempre. Mentalidade de povo escravo, submisso, subjugado.

A direita não tem um rumo a apontar para o país. Por essa razão, ao reconhecer sua incapacidade de governar um Brasil soberano, ela tenta projetar sua própria inferioridade ao resto da nação.

Renato Russo resumiu bem nos últmos versos da letra de "Que país é esse?" qual o projeto da direita para o Brasil:

"Mas o Brasil vai ficar rico
Pois vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão"

Ou seja, para a burguesia brasileira, o caminho para a prosperidade da nação é se abrir para o capital estrangeiro, vender tudo o que ela tem, todas as suas riquezas naturais, tudo o que lhe é mais sagrado, expresso metaforicamente pelo leilão das almas dos nossos índios.

O povo brasileiro vem aos poucos superando seu complexo de vira-lata, mas não a direita. Ainda podemos ouvir os ecos dos gritos e dos esperneios de reação ao anúncio do Brasil como sede da Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. A direita não acredita que seremos capazes. Ela não julga o Brasil digno.

Se temos muitos problemas? Certamente, e muitos. Mas o brasileiro é um povo de luta e de trabalho, e não podemos deixar de acreditar em nossa própria capacidade.

Temos hoje que dar continuidade a um projeto progressista de um Brasil livre, soberano, para que possamos em muito breve chegar à superação do capitalismo parasitário através de uma sociedade superior, a sociedade socialista.

Por isso devemos deixar de lado esse complexo de vira-lata definitivamente. Não é a burguesia brasileira quem deve definir nossa auto-imagem. Deixemo-la gritando sua parolagem neurótica sozinha. Esse tipo de enfermidade não se cura ao mostrar ao doente que "suas idéias não correspondem aos fatos".

3 comentários:

  1. A própria historia conformista cutuada desde da colonização, o Brasil se acostumou a ser como barata e ganhou a "pisada" como saldo.
    Só como exemplo, quando foi a nossa ultima revolução? Os caras pintadas podem ser uma delas, mais depois do próprio sistema ter se desintregado por sí só pelo tempo, fica fácil sair nas ruas com o rosto coberto por tinta.

  1. Unknown says:
    Este comentário foi removido pelo autor.
  1. Unknown says:

    O próprio fanatismos pelo futebol e pela seleção do brasileiro é um reflexo de defesa do próprio brasileiro com relação a falta de referências pessoais. O seu complexo de inferioridade lhe obriga a fantasiar este sentimento no "outro", no time, no ídolo do futebol.