Sonhos com provas, vestibulares, etc

Posted: 20.7.10 by Glauber Ataide in Marcadores: ,
0

Nesta noite tive um sonho de fácil interpretação que compartilho logo abaixo. Este tipo de sonho, de forma geral, sempre admite semelhante interpretação, por se tratar do que Freud chamava de "sonhos típicos".


Sonho da prova

Sonhei que havia feito uma prova de Estatística na faculdade, a qual era a última do semestre e cujo resultado decidiria se eu me formaria ou não.

Ao me encontrar com a professora responsável lhe pedi o resultado, ao que ela me informou que eu havia sido reprovado.

Fiquei muito angustiado com tudo aquilo, pois teria que ficar mais um semestre na faculdade só por causa desta matéria.

Disse que iria recorrer à coordenação para revisar a correção da prova, pois estava certo que ela não havia considerado o desenvolvimento das questões abertas.


Material do dia anterior

Para descobrir o que o sonho significa, o primeiro passo, segundo Freud, é descobrir os eventos do dia anterior que lhe deram origem.

Na noite do dia anterior eu havia visitado o site da faculdade para conferir o resultado da última prova que fiz da matéria de Estatística, a qual realmente decidiria se eu me formaria ou não.

Mas para minha surpresa, todas as opções do sistema haviam sumido, e assim eu não pude saber o resultado e fui dormir com esta dúvida.


Interpretação

Na primeira vez que eu fiz a disciplina Estatística (3º período) eu fui reprovado, pois estava quase desistindo do curso, sem motivação alguma, apesar da matéria ser fácil. Na ocasião ela foi ministrada por uma outra professora.

Mas desta vez ela foi aplicada pela professora que aparece no sonho, e com a qual eu tive uma disciplina diferente no semestre anterior.

O importante aqui para descobrir que desejo este sonho está realizando é atentar para o fato de que eu havia passado na disciplina do semestre anterior com a mesma professora que aparece no sonho.

Em sua obra "A interpretação dos sonhos" há uma seção chamada "Sonhos com exames" na qual Freud discorre sobre este tipo de sonho.

Freud afirma que os sonhos com exames, provas, vestibulares, etc, sempre se referem a uma situação pela qual a pessoa passou com sucesso, mostrando assim que a sua angústia havia sido injustificada.

No caso deste sonho a professora que me aplicou a matéria era coincidentemente a mesma com a qual eu já havia sido aprovado em outra disciplina, e as falas que aparecem neste sonho (como quando eu disse que iria recorrer à coordenação para revisar a correção da prova) já haviam ocorrido na vida real, quando da matéria do semestre passado.

Reproduzo abaixo este trecho completo da obra "A interpretação dos sonhos", de Freud:


(D4) SONHOS COM EXAMES

Quem quer que tenha passado pelo vestibular no final de seus estudos escolares queixa-se da obstinação com que é perseguido por sonhos angustiantes de ter sido reprovado, ou de ser obrigado a refazer o exame etc. No caso dos que obtiveram um grau universitário, esse sonho típico é substituído por outro que os representa como tendo fracassado em seus Exames Universitários Finais; e é em vão que fazem objeções, mesmo enquanto ainda estão adormecidos, de que há anos vêm exercendo a medicina ou trabalhando como conferencistas da Universidade ou como chefes de escritório. As lembranças inextirpáveis dos castigos que sofremos por nossas más ações na infância tornam-se ativas em nós mais uma vez e se ligam aos dois pontos cruciais de nossos estudos - o “die irae, dies illa” de nossos exames mais duros. A “angústia de prestar exames” dos neuróticos deve sua intensificação a esses mesmos medos infantis. Quando deixamos de ser estudantes, nossos castigos já não nos são infligidos por nossos pais ou por aqueles que nos criaram, ou, posteriormente, por nossos professores. As implacáveis cadeias causais da vida real se encarregam de nossa educação ulterior, e passamos a sonhar com o Vestibular ou com os Exames Finais (e quem não tremeu nessas ocasiões, mesmo que estivesse bem preparado para as provas?) sempre que, tendo feito algo errado ou deixado de fazer alguma coisa de maneira apropriada, esperamos ser punidos por esse acontecimento - em suma, sempre que sentimos o fardo da responsabilidade.

Por uma explicação adicional sobre os sonhos com exames tenho de agradecer a um experiente colega [Stekel], que certa vez declarou, numa reunião científica, que, ao que ele soubesse, os sonhos com o Vestibular só ocorriam nas pessoas que tinham sido aprovadas, e nunca nas que foramreprovadas nele. Ao que parece, portanto, os sonhos de angústia referentes a exames (os quais, como já foi confirmado repetidas vezes, surgem quando o sonhador tem alguma responsabilidade pela frente no dia seguinte e teme que haja um fiasco) procuram alguma ocasião do passado em que uma grande angústia se tenha revelado injustificada e tenha sido desmentida pelos acontecimentos. Esse, portanto, seria um exemplo notável de o conteúdo de um sonho ser mal interpretado pela instância de vigília. [Ver em [1].] O que é considerado um protesto indignado contra o sonho - “Mas eu já sou médico, etc.!” - seria, na realidade, o consolo trazido pelo sonho, e seu enunciado por conseguinte, seria: “Não tenha medo do amanhã! Pense só em como você estava ansioso antes do Vestibular e, no entanto, nada lhe aconteceu. Você já é médico (etc.)!” E a angústia que é atribuída ao sonho decorreria, na realidade, dos restos diurnos.

Os testes a que tenho submetido essa explicação com respeito a mim mesmo e a outras pessoas, embora não tenham sido suficientemente numerosos, têm confirmado sua validade. Por exemplo, eu próprio fui reprovado em Medicina Forense em meus Exames Finais, mas nunca tive de enfrentar essa matéria nos sonhos, ao passo que, com muito freqüência, fui examinado em Botânica, Zoologia ou Química. Fiz prova dessas matérias com uma ansiedade bastante justificada, mas, fosse pela graça do destino ou dos examinadores, escapei à punição. Em meus sonhos com provas escolares, sou invariavelmente examinado em História, na qual me saí brilhantemente - embora apenas, é verdade, porque [no exame oral] meu bondoso mestre (o benfeitor de um olho só de outro sonho, ver em [1]) não deixou de notar que, no papel que lhe devolvi com as perguntas, eu havia riscado com a unha a questão do meio entre as três formuladas, para avisá-lo que não insistisse naquela pergunta específica. Um de meus pacientes, que resolvera não fazer o Vestibular na primeira vez, mas depois foi aprovado nele, e que em seguida foi reprovado em seu exame para o exército, não tendo jamais obtido uma patente, contou-me que sonha com freqüência com o primeiro desses exames, mas nunca com o segundo.

A interpretação dos sonhos com exames enfrenta a dificuldade a que já me referi como sendo característica da maioria dos sonhos típicos [em [1]]. Só raramente o material que o sonhador nos fornece nas associações é suficiente para interpretarmos o sonho. Somente reunindo um número considerável de exemplos desses sonhos é que poderemos chegar a uma melhor compreensão deles. Não faz muito tempo cheguei à conclusão de que a objeção “Você já é médico, (etc)!” não apenas oculta um consolo, como também significa uma recriminação. Esta seria: “Você já está muito velho agora, com uma idade muito avançada, mas ainda continua a fazer essas coisas estúpidas e infantis.” Essa mescla de autocrítica e consolo corresponderia, assim, ao conteúdo latente dos sonhos com exames. Sendo assim, não supreenderia que as auto-recriminações por ser “estúpido” e “infantil” nestes últimos exemplos se referissem à repetição de atos sexuais repreensíveis.

Wilhelm Stekel, que propôs a primeira interpretação dos sonhos com o Vestibular [“Matura”], era de opinião que eles estavam regularmente relacionados com provas sexuais e com a maturidade sexual. Minha experiência tem muitas vezes confirmado seu ponto de vista.


0 comentários: