Índios, da Legião Urbana - o bom selvagem de Rousseau

Posted: 2.8.11 by Glauber Ataide in Marcadores: ,
0

Estava ouvindo hoje este grande clássico da Legião Urbana, e resolvi compartilhar aqui algumas coisas que acho interessante nesta letra.

De forma geral, Renato Russo expressa aqui uma concepção rousseauniana* do índio, que é visto como o "bom selvagem". A seguinte estrofe, quase no final da letra, aponta para isso:

Quem me dera ao menos uma vez
Como a mais bela tribo
Dos mais belos índios
Não ser atacado por ser inocente.

O fundo histórico da letra, podemos dizer, é a invasão de nossas terras pelos europeus. É claro que estes aspectos não esgotam seu sentido, sendo ela muito mais profunda do que apenas isso. Mas é inegável que esses elementos rousseaunianos e históricos façam parte de sua estrutura.

Em vários versos podemos perceber também as tentativas de aculturação forçada dos índios, como denunciam os seguintes versos em relação à religião, mostrando a dificuldade de um índio em compreender o dogma da Trindade (que nem mesmo os cristãos compreendem):

Quem me dera ao menos uma vez
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três
E se esse mesmo Deus foi morto por vocês
É só maldade, então, deixar um Deus tão triste.

Em outro momento, quando a letra afirma que "nos deram espelhos e vimos um mundo doente", ele se refere à prática dos colonizadores de trocar o ouro, a prata e outras riquezas dos índios por ninharias ou bugigangas como espelhos.

Abaixo a música e, depois, a letra.



Índios
(Renato Russo)

Quem me dera ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem
Conseguiu me convencer que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha.

Quem me dera ao menos uma vez
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano-de-chão
De linho nobre e pura seda.

Quem me dera ao menos uma vez
Explicar o que ninguém consegue entender
Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente.

Quem me dera ao menos uma vez
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
Fala demais por não ter nada a dizer.

Quem me dera ao menos uma vez
Que o mais simples fosse visto
Como o mais importante
Mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente.

Quem me dera ao menos uma vez
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três
E se esse mesmo Deus foi morto por vocês
É só maldade, então, deixar um Deus tão triste.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho
Entenda
Assim pude trazer você de volta pra mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim.

E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Quem me dera ao menos uma vez
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes.

Quem me dera ao menos uma vez
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Está em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado.

Quem me dera ao menos uma vez
Como a mais bela tribo
Dos mais belos índios
Não ser atacado por ser inocente.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho
Entenda
Assim pude trazer você de volta pra mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim.

E é só você que tem a cura pro meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui.


* O próprio sobrenome artístico "Russo", de Renato Russo, foi tomado de empréstimo de Jean-Jacques Rousseau, entre outros, revelando a afinidade que tinha Renato com o pensamento deste filósofo.


0 comentários: