A pesquisa em psicanálise - o uso de material clínico

Posted: 31.8.16 by Glauber Ataide in Marcadores:
0

O texto abaixo é uma resenha do artigo O uso de material clínico na pesquisa psicanalítica, de Gilberto Safra.

A psicanálise é, desde o seu início, uma terapia e um método de investigação do psiquismo humano. A própria atitude de Freud diante das dificuldades encontradas ao longo do processo de elaboração da psicanálise o levou a aprender continuamente de sua prática, o que conferiu a esta a característica de estar em permanente transformação e expansão. Assim, desde o seu início temos o modelo de pesquisa em psicanálise: o diálogo permanente entre a teoria e a clínica.

Para ilustrar o tema proposto em seu artigo, Safra apresenta o caso de uma paciente, Jane, de 19 anos. Esta jovem decidiu iniciar o processo de análise devido a alguns sintomas que a perturbavam no cotidiano, como não conseguir dirigir automóvel, usar elevadores, viajar de avião, etc. 

Jane vinha apresentando vários progressos após 5 anos de análise, quando então aconteceu o episódio que nos interessa: ela faltou a uma de suas sessões sem avisar. Na sessão seguinte, entrando na sala de análise com os olhos abaixados e sem fitar o analista, deitou-se e já foi justificando sua falta passada. Disse que foi convidada para ir ao cinema com o namorado, e que então teve que escolher entre este programa e a análise. Seu tom de voz sugeria que ela estava se desculpando.

Ao perceber isso, o analista lhe perguntou por que ela estava se desculpando, ao que ela respondeu que não sabia, que sentia talvez estar fazendo alguma coisa errada e que o analista lhe daria uma bronca. O analista então lhe respondeu dizendo que ela parecia ter medo de que ele não aceitasse que ela tivesse uma vida própria e seu namorado, e que ele sentiria ciúmes ou inveja. Jane respondeu chorando e confessou que suas vivências haviam sido assim com sua mãe.

Após este relato Safra pergunta: uma vez que o analista não toma notas durante a sessão, seria este relato uma apresentação acurada do que realmente se passou no consultório? Pois muitos são os fenômenos que se passam entre analista-analisando impossíveis de serem registrados.

Daí a conclusão geral de que o relato realizado, portanto, é um modelo construído a partir de um recorte do que realmente aconteceu na sessão, baseado na interpretação e elaboração das angústias que se manifestam na relação transferencial. Jane, neste caso, parecia buscar no analista um objeto que não retaliasse as suas tentativas de autonomia. 

Assim, pretender que fosse exato o relato do que se passa numa sessão seria acreditar que é possível captar o absoluto. Para a utilização do material clínico para pesquisa é necessário levar em conta que se trata de um recorte, limitado por um determinado ponto de vista. A psicanálise inaugurou uma nova maneira de fazer pesquisa, na qual deve-se levar em conta a participação do sujeito no fenômeno que observa.

Mas não há, no entanto, um saber que possa ser aplicado a todos os indivíduos na psicanálise. A cada análise o psicanalista deve despojar-se do que já conhece teoricamente para perceber o original e novo que seu paciente lhe apresenta. Neste sentido, a cada atendimento há, de fato, uma renovação da psicanálise.

A sessão relatada pode ilustrar este ponto. Jane vinha à sessão temendo um ataque ciumento e invejoso do analista. A paciente havia identificado projetivamente no analista seu objeto interno perseguidor. Essa relação objetal internalizada era a conjunção de uma mãe infantilizada com a autodestrutividade de Jane. No entanto, o analista percebeu que naquele exato momento o importante não era trabalhar sua autodestrutividade, o que já havia sido feito em outras sessões, mas sim poder encontrar, através da relação transferencial, um objeto contrastante ao objeto internalizado, que não atacasse suas tentativas de autonomia. Surgia a possibilidade de um novo padrão de relação objetal em seu mundo interno.

Como se pode ver, trata-se de uma situação que possui uma singularidade, que dependeu da história da relação entre os dois participantes do processo.

O ponto importante a ser sublinhando na sessão descrita é que se poderia ter interpretado a falta de Jane enfocando o ataque narcisista ao enquadre. No entanto, como a interpretação foi outra, enfocando a busca do desenvolvimento da paciente, isso permitiu que ela introjetasse um objeto não-possessivo e não competitivo.

A interpretação enfocando a agressão teria levado a paciente a reviver, na situação transferencial, uma relação objetal destruidora do seu desenvolvimento. Assim, temos aqui um exemplo de que nem todo ato é destrutivo para o processo psicanalítico.

O recorte da pesquisa

Um mesmo material pode ser utilizado para investigar dimensões diferentes do fenômeno clínico. No caso de Jane, poderia ser utilizada uma sessão para investigar o papel da comunicação pré-verbal na relação analista-analisando. Jane inicia sua sessão associando a respeito de sua falta na sessão anterior. O analista fez sua intervenção baseada no tom de voz da paciente e sua postura ao entrar na sala. Esses elementos pré-verbais permitiram que fosse diagnosticada a identificação projetiva da paciente.

Mas aqui se abre uma nova possibilidade de pesquisa: o que ocorreu com a paciente para que ela reagisse à intervenção chorando? Seria expressão de pesar? Desejo de aplacar o analista?

O psicanalista como pesquisador

Assim, dentro do modelo psicanalítico, não se pode falar do estudo do fenômeno psíquico sem levar em conta também o psiquismo do pesquisador. Este fato tanto pode contribuir para elucidar os fenômenos quanto para ocultá-los.

É fundamental para a pesquisa em psicanálise que o analista tenha a possibilidade de auto-analisar as suas reações psíquicas diante de seu trabalho com o seu paciente. Daí a obrigatoriedade nessa área de que o pesquisador tenha se submetido ao próprio processo que utilizará no seu trabalho de investigação. A objetividade nessa área de pesquisa dependerá da autoanálise do pesquisador.

No exemplo de Jane, só foi possível ao analista lidar com os sentimentos de exclusão diante da falta da paciente através de sua auto-análise. Caso o analista não tivesse podido se discriminar dessas fantasias, teria provavelmente interpretado a falta da paciente como ataque ao processo analítico e ela teria vivido o ocorrido como uma repetição da sua relação com um objeto ciumento e invejoso.

0 comentários: