Bruxas e bruxaria na Idade Média

Posted: 4.7.18 by Glauber Ataide in Marcadores:
0

A bruxaria era um crime polêmico na Idade Média, passível de  punição por envenenamento. Se alguém fosse acusado de bruxaria, as acusações poderiam ser descartadas pela defesa de um parente em um julgamento por combate, ou por doze pessoas jurando a inocência do acusado.

No caso de um parente defender o acusado, o acusador era obrigado a pagar uma multa. Com a ascensão do cristianismo, a feitiçaria tornou-se uma superstição e, como tal, a perseguição à feitiçaria persistiu durante a Idade Média.

História

No século 5 dC, o teólogo cristão Santo Agostinho de Hipona disse que toda a magia e religião pagã foram inventadas pelo diabo. Ele disse que o propósito do diabo em inventar magia era atrair a humanidade para longe das verdades do cristianismo.

Por outro lado, Santo Agostinho também disse que nem as bruxas nem o diabo eram capazes de ter poderes mágicos ou produzir qualquer magia real. Se um pagão acreditava em magia, era apenas seu “erro” acreditar em “algum outro poder divino que o único Deus”. Sob as opiniões de Santo Agostinho, a igreja não tinha motivos para procurar ou perseguir bruxas porque seus poderes não não existiam. Este ponto de vista foi aceito pela igreja medieval por vários séculos.

No século VIII, São Bonifácio disse que a crença na existência nas bruxas era anti-cristã. Mais tarde, o altamente influente bispo de Lyon rejeitou a crença de que as bruxas podiam voar e mudar de forma. Carlos Magno, rei dos francos nos séculos VIII e IX, disse que o costume popular de queimar os acusados ​​de bruxaria na fogueira deveria ser uma ofensa punível com a morte.

As leis anti-feitiçaria começaram a aumentar dos séculos VII a IX. A Igreja começou a influenciar o direito civil para criar leis contra a bruxaria. “Maleficium”, uma palavra latina que originalmente significava "fazer errado", passou a significar mal-intencionado, presumivelmente satânico e mágico. A magia era agora vista como um crime contra a sociedade e também contra Deus.

Antes do século XIII, a feitiçaria era conhecida como uma coleção de práticas e crenças associadas à cura. A cura foi praticada através de feitiços, pomadas, poções e previsão do futuro através da clarividência. Na Inglaterra, a magia curativa era praticada por "feiticeiros". Por outro lado, as "bruxas médicas" eram bruxas que diziam ser capazes de desfazer feitiçaria maligna. Embora elas não se classificassem como bruxas, todos eram geralmente considerados valiosos para a sociedade. Algumas bruxas também foram contratadas para amaldiçoar os inimigos.

Bruxas e feitiçaria na Idade Média começaram a ser consideradas como “adoração de demônios” no começo do século XIII. Um grupo de hereges conhecidos como os cátaros foi atacado pelo papa Inocêncio III em 1208. Esse grupo acreditava em um mundo no qual Deus e Satanás tinham poderes sobrenaturais e estavam em guerra uns com os outros. A Igreja tentou criar uma antipatia pelos cátaros dizendo que eles adoravam o demônio pessoalmente e embelezavam as maneiras pelas quais eles adoravam o diabo.

Durante esse período, São Tomás de Aquino também argumentou que o mundo estava cheio de demônios perigosos cujo único propósito era levar as pessoas à tentação. Este foi o começo da associação negativa no cristianismo entre sexo e feitiçaria.

A Inquisição, que foi um movimento da Igreja Católica Romana para procurar e eliminar os hereges, começou em 1230. Muitos foram executados por acusações de feitiçaria. No entanto, não foi até o início do período moderno, o período após o final da Idade Média, que as caças às bruxas e os julgamentos de bruxas se tornaram mais prevalentes.

Magia

A bruxaria na Idade Média era temida em toda a Europa. Acredita-se que a magia seja uma criação do diabo e associada à adoração do diabo. Dois "tipos" de magia eram praticados durante a Idade Média.

-Magia negra

Magia Negra era o tipo de magia "ruim". Magia Negra teve mais de uma associação com o diabo e culto satânico. Se alguém adoecesse de causas desconhecidas, diz-se que isso costumava ser causado por bruxas que praticavam magia negra. Outros danos causados ​​à sociedade, como acidentes, mortes ou azar, também foram causados ​​por Magia Negra.

-Magia branca

A base da Magia Branca estava no simbolismo cristão e se concentrava na natureza e nas ervas. Foi o tipo "bom" de magia. Magia Branca foi usada para boa sorte, feitiços de amor, riqueza e feitiços para uma boa saúde. A astrologia era outra parte importante da Magia Branca. A alquimia, que é a prática de fazer poções, também fazia parte da Magia Branca.

Heresia e Castigo

Ser acusado de feitiçaria na Idade Média significava ser rotulado como herege. Se acusado de feitiçaria, o acusado era forçado a confessar, mesmo que fosse inocente, através de torturas brutais. Então ele foi enforcado ou queimado vivo por seus crimes. As leis contra a feitiçaria foram reforçadas quando começaram a ser usadas para vinganças pessoais contra o acusado ou para obter a propriedade do acusado.

As acusações foram organizadas por pessoas influentes na sociedade ou pelo clero que provocaria as suspeitas contra aqueles que eles queriam atingir. Eles então prendiam suas vítimas, faziam-nas confessar e as executavam. Quase 80% dos acusados ​​de bruxaria eram mulheres.

Em alguns casos, o clero estava genuinamente preocupado com as almas daqueles que estavam executando. Como tal, eles escolheram queimar as chamadas “bruxas” vivas para salvá-las.

Aparência

Quando falamos de Feitiçaria e Bruxaria na Idade Média, devemos saber que as bruxas eram muitas vezes retratadas como mulheres velhas, feias e sujas. Isso porque a igreja queria que eles fossem alvos de antipatia e ódio. Naturalmente, aqueles que praticavam bruxaria (e aqueles que eram falsamente acusados) tinham uma ampla gama de aparências.

Práticas

As bruxas nos tempos medievais usavam feitiços, partes de animais e uma variedade de ervas para fazer poções, curar várias doenças e curar feridas. Embora as poções fossem consideradas supersticiosas, elas geralmente eram bastante eficazes na cura. As poções eram preparadas em grandes caldeirões, a fim de garantir que elas fossem combinadas adequadamente. Os caldeirões eram geralmente feitos de madeira ou pedras.

Fonte: http://www.thefinertimes.com/Middle-Ages/witches-and-witchcraft-in-the-middle-ages.html

0 comentários: